Espiritualidade com os pés no chão

Um internauta pergunta:
“Chris, desde que passei a ler algumas coisas sobre espiritualidade e esoterismo, estou me sentindo meio deslocado do mundo. As esperiências do mundo já não fazem mais sentido para mim e passo horas e horas sozinho meditando no meu quarto. Isto é um bom sinal? Este é o caminho?”
Caro amigo (anônimo). Tenho dificuldades em te dizer se isto é um bom sinal ou um mal sinal.
Certa vez Jesus disse: “Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo”. Acho esta frase bonita. Para mim, ela significa que: “enquanto estou aqui presente neste planeta, farei o meu melhor para dar a minha contribuição a ele“.
De fato, parece-nos que o mestre Jesus nunca teve problemas em se infiltrar nos subterrâneos do mundo e interagir com todo o tipo de gente (cobradores de impostos, prostitudas, soldados, estrangeiros… pessoas que eram desprezadas na época).
Atualmente, na Unidarma, estou ministrando um curso para formação de Instrutores de Autoconhecimento e creio que dele pode vir alguma luz. Uma das ênfases deste curso é a busca pela integração entre os vários níveis de nosso ser. Assim como você escreveu no seu email, observo que quando uma pessoa passa a seguir um caminho da espiritualidade, cria uma certa tendência menosprezar as experiências que colhemos no mundo e supervalorizar o universo espiritual.
Entretanto, considero que ambas as experiências são igualmente importantes. Por esta razão, não sei até que ponto a experiência que você relata estar passando vá trazer para ti total felicidade e realização. Talvez este seu momento seja um estágio e outros estágios virão após este.
A escritora Shakti Gawain traduz isto que estou dizendo na seguinte frase: “O mundo físico não é apenas um grande erro cometido pela Inteligência Criativa (…) Estou convencida de que não viemos para cá com o intuito de ver com que rapidez conseguiremos fugir.
Para viver a sua espiritualidade, independente de quais forem as suas crenças, é importante levar isto em conta. Estamos no mundo e dele precisamos colher experiências e aprendizados. Peço que reflita sobre tudo isto com muito carinho. Já disse em minhas aulas na Unidarma que menosprezar a sua presença terrena, distanciar-se de tudo e de todos só para se convencer de que é um ser diferente das demais pessoas ou um ser muito espiritualizado serve apenas os caprichos de um ego mal orientado. Na prática, este tipo de atitude (de distanciamento do “mundo”), não torna ninguém mais humano ou mais compreensivo. Pelo contrário. O medo da aproximação com o “terreno” muitas vezes está até mesmo escondendo algum tipo de incapacidade ou trauma da pessoa se relacionar com os outros.
É compreensível que os estímulos do mundo não façam mais sentido para ti neste momento. Mas enquanto você está por aqui (no mundo), continue olhando para ele. Existem coisas maravilhosas em nosso plano terreno e, afinal de contas, apesar de toda confusão criada pelo ser humano, o mundo ainda é um belo lugar para se viver. Tudo depende do modo como você encara as coisas, ok?
Espero ter ajudado.
Sucesso e Felicidade Para Você!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *