Minha busca

O texto que reproduzo abaixo é um artigo que escrevi em agosto de 2007. Muita coisa mudou de lá para cá, de tal forma que eu poderia aumentar o relato. Hoje, tenho em minhas mãos preciosas ferramentas para ampliar o poder pessoal, a autoestima, o autoconhecimento (ferramentas estas que não possuía naquela época). Porém, o texto se refere a um momento importante na minha vida e decidi deixá-lo na integra. Futuramente, escreverei um relato mais atualizado de todas as transformações que passei ao longo destes últimos anos… Segue o texto:
“Minha busca pela compreensão da verdade não vem de hoje. Por muitos e muitos anos, venho procurando uma resposta, alguém que pudesse acalmar o meu coração e me trazer a paz. Este foi um dos motivos que me levou a buscar a vida religiosa. A idéia de um Jesus como meu mestre particular era fascinante. Eu dedicaria minha vida à uma causa e faria parte de um projeto que era maior do que eu mesmo. Mas, o Jesus que conheci era insuficiente para responder aos meus anseios. Com 18 anos, privado de poder vivenciar a minha energia sexual, ele deixou de ser um Jesus-Mestre e se tornou um Jesus-Freio. Eu queria encontrar a verdade mas, não queria pagar o preço de uma auto-negação. A verdade teria que ser um antídoto para minhas angústias, um caminho para minha felicidade. Paradoxalmente, preso dentro de um seminário católico, eu me percebia cada vez mais angustiado e sem saída.
Após cinco anos de tentativas, abandonei tudo e fui buscar respostas no amor. Me entreguei aos relacionamentos, conheci pessoas, mas meu coração ainda estava insatisfeito. Em desespero de causa, me casei cedo. Queria mergulhar fundo nisto. Queria acalmar os meus anseios de experimentar a paz, de encontrar a quietude. Mas o casamento também não foi uma resposta satisfatória. Nem poderia ser. Como uma criança que abandona um brinquedo por estar cansada de brincar eu, com toda infantilidade que minha juventude permitia, abandonava relacionamentos, e partia para outros. Pensava: “Talvez o problema não fosse o relacionamento e sim a pessoa com quem eu estava me relacionando”. Obviamente, não funcionou. Seja com quem eu estivesse, meu coração continuava angustiado e intranquilo.
Já o caminho das drogas, nunca tentei… Não era uma possibilidade que me atraía. Estava em busca de uma lucidez maior. Queria me aproximar da verdade. Nunca me convenceram de que por este caminho eu a alcançaria.
Também procurei respostas nas universidades. Mas, era um aluno diferente. Não ocupava meu tempo estudando o conteúdo proposto na aula. Vivia grande parte do tempo dentro da biblioteca, querendo encontrar alguma gota de sabedoria, algum ensinamento que realmente me mostrasse um caminho possível. Meus professores não me convenciam. Naquela idade, eu, provavelmente, já tinha lido muito mais obras do que a maioria deles. Isto não era uma arrogância de meu intelecto. Era uma constatação. Suas aulas eram mal preparadas, desprovidas de uma lógica consistente, haviam falhas em suas argumentações. Eu me sentia tentado a explicar para meus colegas de classe e também para professores algumas questões que eram apresentadas de maneira confusa. Mas isto sempre criava uma situação bastante inusitada e constrangedora. A psicologia que supostamente me ensinaram sabia muito pouco sobre o ser humano real. Estavam mais interessados no comportamento dos ratos e nos cadáveres da sala de anatomia. Falavam de Freud, Yung, Adler e seus seguidores. Todos eles tratando de um ser humano que não existe mais.
Para mim, poderia até mesmo haver alguma sensatez em procurar compreender os fundamentos, a história da construção de teoria do passado. Mas era idiotice achar que aquelas teorias poderiam estar próximas daquilo que o ser humano esta sendo atualmente.
A filosofia, por sua vez, me prometia respostas. Mas, na verdade, nunca as encontrei. Meus professores de filosofia garantiam que para tudo o que eu já havia pensado ou questionado, seguramente, algum filosofo teria escrito a respeito.
Mas, após algum tempo estudando os filósofos, eles também começaram e se tornar intragáveis. Platão era idealista, falava de um mundo que não existe. Portanto, não me servia. Aristóteles era um compulsivo obsessivo por rituais: todas as coisas deviam estar no seu devido lugar. Embora sua lógica perfeita e cristalina tenha influenciado todos os grandes filósofos modernos, nenhum deles alcançou a verdade. Nenhuma conclusão será verdadeira se as premissas forem falsas. E isto era tudo o que eles tinham: falsas premissas. Um raciocínio que se baseia em dados mentirosos não pode chegar a um resultado verdadeiro. Se chegar, foi por acidente. Eu buscava as premissas verdadeiras. Descartes não me convencia. Ainda bem. Mais tarde, eu iria conhecer aqueles mestres que, mesmo não pensando, existiam.
Minha mãe sempre me disse que eu era um menino teimoso. Para mim, isto acabou sendo uma virtude. Eu nunca desistia da minha busca. Numa certa manhã, estava na biblioteca central da Unicamp (como sempre, as aulas me aborreciam e me emburreciam). Encontrei um livro na prateleira: “A Semente de Mostarda” de Rajnesh (que, mais tarde, recebeu o nome de Osho). Um vislumbre da verdade saltou sobre meus olhos. Finalmente, teria encontrado algo que acalmava o meu coração, que me dava respostas concretas. Aquilo sim era alimento para a alma de verdade. Se existem gênios da música, como um Mozart ou Bethoven e, se existem gênios da pintura, como Leonardo ou Michelangelo, eu havia encontrado um gênio da espiritualidade. Passei a me dedicar numa busca enlouquecida por outros livros de Rajnesh. E algumas respostas foram surgindo. Naquela época, estava numa encruzilhada da vida, já em crise de mais um relacionamento. Seria fácil: abandonaria tudo, venderia alguns bens e iria para Índia, encontrar o iluminado Osho pessoalmente, em carne e osso. Partiria em busca da verdade, seguro de que agora, eu poderia encontrá-la. Eu me renderia a este buda vivo e ele me apontaria o caminho.
Então, descobri que Osho não estava mais fisicamente presente. Naquele dia, me lembro de ter chorado amargamente. Tinha perdido a rara oportunidade de conhecer um iluminado ainda vivo.
E, após um período de decepção, fui me recompondo lentamente. Passei a lidar com o que me restava. Continuei a ler e me dispus a trilhar o caminho da meditação. Um caminho, obviamente, solitário. Mas era tudo o que eu tinha.
Com o passar do tempo, algo foi acontecendo. Minha necessidade de fazer perguntas foi se aquietando. Embora nenhum mestre não estivesse fisicamente presente, “eu” estava me tornando presente. Era o que me restava: estava me tornando o meu próprio mestre. No passado, queria me encontrar com buda. Teria ido para os quatro cantos do planeta para encontrá-lo. Não obstante, buda estava dentro de mim. Silencioso, como era de se esperar. Obviamente, quanto mais agitado eu estava, menos poderia percebê-lo.
Hoje, sinto que meu trabalho é deixar que este buda possa florecer. Algo de muito significativo vem acontecendo, desde então. Não tenho mais pressa. Não me sinto mais pressionado a encontrar nada. Minha busca terminou. Já alcancei o meu destino. Agora, apenas tenho que me aprofundar. É como um radiestesista com suas varetas, à procura de um veio d’água no campo. Num dado momento, suas varetas começam a tremer, como que dizendo: “Ei, aqui abaixo temos água, pode cavar!”. Sim, agora, as varetas estão tremendo. Bem aqui, logo abaixo de mim mesmo, tem água em abundância. Estou cavando. Sem pressa. Beberei desta água no tempo certo. E poderei saciar a minha sede.”
Sucesso e Felicidade Para Você

7 comentários

  1. Chris Allmeida! Sou Católico. Minha mãe Católica acabou de fazer a reprogramação Sair da Depressão. Nossa família tem um histórico desse "estado". Também fiz com ela. Muito boa! Mas confesso que pelo fato da reprogramação não falar de Deus e sim da luz, do sol, etc…tive que convencer minha mãe que era bom e nenhum mal faria. Vc entende isso!? Minha mãe é super católica. Ela mesma me dizia que quando o MP3 nº 2 falava do sol e da luz ela por si incluía Deus nos seus pensamentos. Achei legal isso. Porque ela aceitou da forma dela.
    Certa vez ela me perguntou se você era ateu. Eu respondi que não sabia, mas que bem intencionado você era.
    Sinto que ajudou muito a ela, a mim e a nossa família.
    Sou do movimento dos focolares, que me forneceu o tanto de paz que sinto, do apego ao momento presente. Passei um tempo na Itália, convivendo com diversas pessoas de religiões, credos, povos, de todo mundo, inclusive budistas e com isso consegui aprender na prática a ter paz e a viver o amor, inclusive nas pequenas coisas. Recentemente me distanciei em busca do profissional, apesar de dentro de mim ter aquela semente de paz. Mas sei que ela precisa ser regada, pois o dia a dia do mundo moderno nos afasta e nos faz mais doentes (fisicamente e psicologicamente). Voltei recentemente! Obrigado por contribuir com minha família, seu trabalho é excelente!
    Obs: existem dois vídeos no youtube que utilizo para afastar minha ansiedade. O primeiro é uma música do movimento focolares. O segundo é um texto de Chiara Lubich, nossa fundadora. Se puder ver veja! Aliás, creio que nenhum mal fará, rsrs. Qualquer coisa diga. Abraço! Givaldo
    http://www.youtube.com/watch?v=zgrPqEYcD4o http://www.youtube.com/watch?v=FYOaupkh7r8

  2. Olá Givaldo,
    grato por suas palavras e pelo apreço ao meu trabalho.
    Sim, conheço os focolares e o trabalho de Chiara Lubich. Aliás, é a própria Chiara que nos ensina a contemplar a beleza da natureza, como uma forma de louvar o seu Criador. Então, neste sentido, diga para sua mãe ficar mais tranquila com o Sol, com a Lua, com as estrelas e com toda a criação.
    Diga também para ela que não importa se eu acredito ou não em Deus. O importante é que ela acredite!!!
    Sabe por que? Porque quando uma pessoa realmente acredita em Deus, então ela é capaz de ver Deus em todos os outros seres (inclusive nos ateus). Se acreditamos que Deus está presente em todas as coisas, então não temos que nos preocupar com isto (será que Deus está por aqui ou ali???, rsss). Isto seria duvidar da Sua onipresença.
    Deus estaria comigo, dirigindo meus passos, ainda que eu não acreditasse nele.
    Um grande abraço e obrigado por partilhar os vídeos.
    Sucesso e Felicidade Para Você!

  3. Prezado Chris,
    Fiquei procurando o melhor lugar para postar este email e achei que aqui ele ficaria bom.
    Depois de ter visto todos os vídeos do “Efeito Sombra” resolvi ler o livro também para fundamentar os conceitos e estou vivendo com alegria a aceitação de meu lado sombra e me dou conta que estou me sentindo cada vez mais leve. Assisti a alguns outros vídeos, mas quando comecei a ouvir o áudio das “Respostas Metafísicas” me identifiquei imediatamente com o assunto. Pena que nem todos os áudios estejam disponíveis, mas salvei os slides das primeiras aulas. Enquanto ouvia os áudios tive um insight. As doenças que as pessoas adquirem surgem do fato que não prestamos atenção aos avisos que o corpo nos manda o tempo todo. Aquilo que você falou a respeito de não darmos valor ao que recebemos de graça (justamente o corpo com o qual nascemos) é conseqüência disso. Nós crescemos, estudamos, começamos a trabalhar e corremos atrás de nossos sonhos que geralmente incluem casa própria, um carro, um bom emprego (que devemos lutar para conseguir) e acabamos esquecendo o maior patrimônio que temos: o nosso próprio corpo saudável que está conosco para o que der e vier. Acabei fazendo um link entre a pouca importância que damos ao corpo com o dinheiro. Frases como “o sexo é sujo” e “dinheiro é sujo” acabam virando crenças na cabeça de muita gente. Tanto o corpo quanto o dinheiro são matéria e acabamos contrapondo matéria com espírito e não querendo ser taxados de materialistas tentamos cultivar mais o lado espiritual. Mas não podemos separar a alma do corpo que devem ser tratados da mesma maneira. E sinceramente o dinheiro e o sexo de sujo não têm nada porque nos proporcionam prazer. Por causa de velhas crenças percebo a minha dificuldade em prosperar e espero resolver essa questão com o projeto 7 de setembro para proclamar finalmente a minha independência financeira. E aproveitarei para proclamar a abolição das velhas crenças também.
    Abraços
    Neide Furukawa

  4. Olá Neide, muito obrigado pelo depoimento, sei que irá beneficiar a muitos que lerem.
    Todo aquele que busca encontra e lendo com atenção suas palavras, percebo que és uma buscadora sincera. Portanto, merece que seus sonhos mais belos se tornem realidade. Sim, o projeto 7 de Setembro está para começar e será um sucesso. Estou 100% seguro de que você colherá os melhores frutos deste trabalho. Sucesso e Felicidade Para Você!

  5. Olá, Chris
    Tenho lido alguns artigos do seu blog e tenho gostado muito. Mas quando li este seu depoimento fiquei encantada.
    Sua história não parece a minha em acontecimentos, mas a sua busca se parece muito com o que busco. Saber que vc conseguiu encontrar o caminho, depois de tantas inquietações é tão motivador pra mim. É saber que realmente há uma luz no fim do túnel.
    Fico agradecida por saber que ao buscar o seu caminho vc acaba sendo o guia de outras pessoas em busca de seus próprios caminhos. Obrigada pelas inspirações!

  6. Olá Juliana, particularmente eu acredito na Lei da Afinidade onde as pessoas com as mesmas buscas e ideais estão continuamente se encontrando e crescendo juntas. Grande abraço.

  7. Parabens Chris pela tua honestidade e coragem!!.
    Poucas pessoas conseguiram expor o q vc conseguiu com tanta simplicidade e profundidade ao mesmo tempo..O teu talento em reverter a crenca de que evolucao e quase uma missao impossivel, para algo totalmente possivel ,atraves dos teus cursos e tecnicas e espetacular.E traz um enorme alivio a humanidade.Da minha parte vou continuar a regrar minha plantinha do autoconhecimento e ajudando a semear muitas outras atraves do que aprendo com a UNIDARMA .Tens toda minha admiracao e respeito!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *