A história de Buda e o Assassino

Criei este vídeo baseado numa antiga história budista que fala de nossa psicologia. Criticar, condenar, falar pelas costas é uma coisa fácil, principalmente quando nos sentimos inferiorizados ou vitimizados pela família, pelo trabalho ou pela vida. A longo prazo, isto se transforma numa completa loucura. Transforma-se em uma força destrutiva contra si mesmo e contra os outros ao seu redor.
Destruir é fácil, até uma criança pode fazer. E parece que a maioria das pessoas estão sempre prontar para xingar, zombar, amaldiçoar, falar mal do trabalho dos outros (tanto na vida real, quanto no universo virtual). Mas desenvolver a capacidade de conciliação exige tremenda coragem, humildade e força.

Sucesso e Felicidade Para Você!


6 respostas para “A história de Buda e o Assassino”

  1. Oi Chris,
    Hoje quero parabenizá-lo pelo excelente trabalho que vem desenvolvendo.
    Acredito que muitas vidas estão sendo beneficiadas, inclusive a minha.
    Desejo do fundo do coração que seja muito feliz e tenha muito sucesso. Você merece!
    Muito Obrigada
    Vivi

  2. Olá Vivi, eu é quem sou grato pelo seu apoio e fico feliz em estar em contato contigo, afinal, você também é uma grande divulgadora do poder do autoconhecimento. Abraços

  3. Moisés Alc&ac disse:

    Parabéns, Chris Allmeida! Excelente trabalho! =]

  4. Olá Moisés, obrigado pela sua participação.

  5. Deusa Barakat disse:

    Linda parábola Cris. Já a conhecia e hoje ao revê-la na sua criação me soou também como um apelo a preservação da natureza. É um conselho ecológico de Buda, que nos relembra a singela verdade de que aquilo que não temos o poder de recriar, não temos o direito de destruir. O amor se traduz na reverência àquilo que foi engendrado por um poder mais alto que nós.
    Obrigada pela reflexão e parabéns pelo trabalho!

  6. Olá Deusa,
    excelente comparação. Aliás, muito oportuna para o momento que estamos vivendo.
    Grato por compartilhar. Sucesso e Felicidade Para Você!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *